Ligação Ancestral - UMBANDA

Blog que disponibilizará artigos sobre a Umbanda, liturgias afro-brasileiras e outros assuntos semelhantes.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Quem é ele?... - Por Pai Carlos Pavão


Ele foi o primeiro daquele antigo culto sagrado a chegar na Umbanda, pediu licença e foi bem recebido, sua força e seus enigmas cativaram todas as forças aplicadas em cada linha espiritual e em cada campo de atuação. Obteve uma grande consideração entre os conhecidos compadres e conhecidas comadres, a força dos índios andava com ele, pois o sagrado culto de onde veio preservara a sabedoria indígena e desta sabedoria surgiu sua estrutura, a presteza e o conhecimento dos Pretos Velhos abriram suas portas e esta linha fez questão de receber as rezas e orações emanadas por ele como fazia em sua mesa sagrada, as crianças se sentiram protegidas e a sua proteção pediram, os incansáveis homens do couro quiseram sua companhia pelas estradas da Aruanda que traziam o reflexo das passagens dos sertões nordestinos. Assim ele chegou e sua essência ficou emanada em cada linha, em cada força e em cada energia, sua figura era aconselhada a estar em cada sagrado solo umbandista, mesmo que nele não houvesse aquele ser encarnado que lhe viesse a servir de veículo, junto de sua figura ficava a tradicional aguardente transbordada até a ''boca'' de um pequeno copo de vidro. Ele foi bem recebido, somou com uma extrema sabedoria advinda da sagrada árvore que sustenta um sagrado culto, com ele trouxe a sabedoria de seus companheiros de jornada, sábios mestres respeitados. Não é Exu, não é Preto Velho, não é Caboclo e nem Baiano, é um bom malandro no sentido verdadeiro da palavra, mas o ''ser malandro'' se torna uma característica vista entre uma complexa sabedoria advinda de uma grande simplicidade no jeito de ser, ele é um mestre respeitado, veio de uma longa estrada chamada Jurema Sagrada, compartilhou de suas rezas e fortes orações, mentor de qualidade, em vida foi e em espírito continua a ser, do Catimbó foi doutor e na Umbanda trouxe seu doutorado. Seu nome? Seu Zé Pilintra, o bom malandro e grande mestre consagrado!

''Macumba boa é a que dá certo!'' - Por Pai Carlos Pavão



E o que dá certo? Pra quem dá certo? O que é certo?

As pessoas insistem em procurar um terreiro de Umbanda ou frequentá-lo pensando que Umbanda é uma casa de feitiçaria, casa onde existe magia pra dar jeito em tudo, principalmente em mimos. Umbanda é uma casa de caridade espiritual, onde com muito trabalho, esforço, caráter e determinação seus trabalhadores se orientam e sedem espaços para que os guias espirituais possam praticar um trabalho longo de educação espiritual àqueles que os procuram. Esta educação espiritual é uma forma dos guias tentarem ensinar o ser humano a mudarem diversos conceitos, entre eles o egoísmo, do qual faz a pessoa pensar que o bem trata-se de seu bem estar, de sua vingança ou sede de razão confundidas por justiça. A Umbanda é uma casa divina movimentada por seres espirituais devidamente capacitados espiritualmente, seres esses que ensinam os encarnados a interpretarem a evolução e o convívio social e espiritual com os demais, seres espirituais que ensinam o verdadeiro conceito de moralidade, que ensinam ou pelo menos tentam ensinar o ser humano a discernir e obter a devida consciência de que 90% das coisas que ocorrem em sua vida tratam-se de resultados advindos de suas próprias escolhas, sendo assim, os guias espirituais ensinam que na vida (carnal e espiritual) tudo que plantamos colhemos e nos ajudam a pensar bem antes de plantarmos algo, ou seja, pensar bem antes de decidirmos estar com alguém, agir e caminhar em certas estradas.

Macumba boa é aquela feita com dignidade, consciência e sabedoria, aquela que se pensa no bem coletivo e não apenas no próprio umbigo, casa de Umbanda boa é aquela que é supervisionada por verdadeiros guias espirituais, zelada por um digno dirigente espiritual e movimentada por filhos espirituais capacitados pelas razões e não emoções que sustentam vaidades, robes e badernas.

Umbanda é território de pessoas firmes e de quem procura firmeza disposto a ouvir e seguir a razão e não aquilo que pensa ser razão!