Ligação Ancestral - UMBANDA

Blog que disponibilizará artigos sobre a Umbanda, liturgias afro-brasileiras e outros assuntos semelhantes.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

O segredo de São Cosme - Por Pai Carlos D'Ogum (Carlos Pavão)

Hoje os santos São Cosme e São Damião são muito comuns na Umbanda, todos os anos aquela velha tradição das ‘’Festas de Cosme’’ nos cultos de raízes afro, aonde vemos as giras de Umbanda distribuindo doces paras as crianças e louvando com muita harmonia as Entidades e São Cosme e Damião. Mas o que sabemos sobre eles e porque esses santos foram tão aceitos na Umbanda?
Pois é, escutam-se várias versões sobre esses santos na Umbanda, uns dizendo que eles são os protetores das crianças e por isso as Entidades espirituais denominadas Ibeijadas ou equivocadamente ‘’Erês’’trabalham na devoção deles, outros dizendo que São Cosme e Damião foram incorporados nos cultos afro-brasileiros através do sincretismo com o Orixá gêmeo Ibeji dos Iorubas e assim por diante. Só que, lembremos de Doum... Quem foi Doum?
Escuta-se uma bela história, principalmente nas festas de São Cosme e Damião na Umbanda, que Doum foi à criança que esses santos, nos quais eram doutores, curaram e assim fizeram por onde também o criar. Não sei se resumi a história correta, pois, pra mim não faz muita diferença e sabe por quê? Simplesmente porque Doum não faz parte da igreja Católica, portanto, não faz parte da história desses dois santos. Agora muitos vão perguntar espantados: De onde surgiu Doum?!... Se não faz parte do catolicismo, faz parte da onde?!

Eu respondo resumidamente...

Faz parte das tradições iorubas, Doum surgiu no Brasil diante os negros descendentes dos povos iorubas! (Agora causei mais espanto ainda)
Infelizmente muitos e principalmente o povo brasileiro têm o infeliz costume de se basear em tudo que é mais fácil, ou até mesmo prático. Os que se colocam mais ‘’estudados’’ neste assunto, vão dizer simplesmente que São Cosme, São Damião e Doum, foram sincretizados com o Orixá Gêmeo dos Iorubas Ibeji e que Doum é aquele menino que os doutores Cosme e Damião curaram. Simples, prático porém, incorreto! É assim que muitos fazem suas teorias, visando à primeira história que encontram.
Vamos voltar às tradições, aonde vou acabar com a curiosidade advinda do espanto que causei em alguns, ao lerem que Doum pertence às tradições Iorubas.
Na África, diante os costumes dos iorubas, existe uma filosofia baseada em seus conhecimentos espirituais, onde se acredita que o ser humano começou em dois, ou seja, nos gêmeos, filosofia esta semelhante à primeira vista com o famoso Adão e Eva do cristianismo, mas não se tratava da mesma coisa. Para os iorubas, todo gêmeos é considerado sagrado, até mesmo era de costume que as famílias que tinham gêmeos recebiam para o resto da vida tudo em dobro. Os gêmeos eram chamados de `Ibeji’ (significa, nascimento duplo), Ibeji era considerado a Divindade que formava e enviava esses sagrados gêmeos a Terra, onde futuramente nos cultos dos Candomblés (Brasil) este ganhou a condição de Orixá. Todo filho que nascia após os gêmeos era chamado de `Idowu’, que soa bem semelhante a ‘’Doum’’(Idowu significa ‘’nascido após gêmeos’’), a filosofia espiritual, era de que, todo Idowu era protegido por Ibeji. Só com este relato histórico, já se tem uma boa base para saber como Doum apareceu entre os santos São Cosme e São Damião.
Resumindo o sincretismo do período escravocrata no Brasil, os negros eram proibidos de praticarem seus rituais religiosos, pois, eram forçados a se converteram nas crenças católicas, portanto, como estratégias faziam um falso altar, onde camuflavam os Orixás através das imagens dos santos católicos, assim também trocando os nomes de Orixás por santos ao fazerem suas louvações e também utilizando das comemorações católicas para ofertarem aos Orixás, por exemplo: Dia de São Jorge Guerreiro, negros do sudeste do país, faziam a festa para Ogum, mas camuflada atrás do nome do santo católico.
Antes de dar continuidade ao assunto, é bom lembrar que muitos negros realmente obtiveram crenças nos santos, seguindo até mesmo um costume do continente africano, onde os povos nunca fecharam suas crenças a nenhuma manifestação espiritual, mas deixo bem claro, que isso não envolve culto religioso, e sim, o pensamento e o respeito do africano para com as outras crenças.

Continuando com assunto...

A estratégia do sincretismo também chegou a São Cosme e São Damião. Mas e Doum, como ficou nessa história?

Pois é, para o negro de descendência ioruba dar continuidade a sua filosofia espiritual baseada em Ibeji, os mesmos usaram a imagem de Cosme e Damião, mas tiveram que levar a estratégia mais a frente, foi aonde criaram a figura sincretizada ao lado dos santos (Cosme e Damião) de Idowu. A história dele, assimilada aos santos católicos eu não sei a origem, muito provável que tenha surgido diante de boatos, que talvez os próprios negros tivessem espalhado propositalmente.
Assim que Idowu foi descoberto pelo povo branco, o mesmo ganhou o titulo de ‘’Doum’’, justamente por causa de sua pronúncia. O negro descendente dos iorubas, pela lógica não usou São Cosme e São Damião somente como disfarce, mas sim os incluíram automaticamente em suas filosofias, já que todo gêmeo é considerado Ibeji, aqueles que protegem Idowu (Doum), e todo Idowu (Doum) é considerado o nascido após os gêmeos. Portanto podemos dizer que Ibeji está presente na Umbanda, mas não como um Orixá classificado dentro de um ritual, mas sim, como uma Divindade que faz parte de uma filosofia espiritual de um povo, onde protegem nossas crianças, ou seja, todas essas crianças que são conhecidas como ‘’Doum’’ (levar em sua crença que quem protege as crianças é São Cosme e São Damião ou Ibeji como Divindade, vai de cada um, de qualquer forma, pela filosofia ioruba não ligada a conceitos religiosos e sim espirituais, São Cosme e São Damião por serem gêmeos já por si próprios, são considerados ‘’Ibeji’’).
Isso tudo me faz lembrar um dito dos sábios antigos, dito este, que predominou muito nas músicas de capoeira, onde diz assim:


‘’O segredo de São Cosme quem sabe é São Damião!``


Carlos Pavão